terça-feira, 27 de setembro de 2011

Resumo: O Fascismo






O fascismo é um regime autoritário de extrema-direita desenvolvida por Benedito Mussolini, a partir de 1919 na Itália. 
A palavra fascismo tem suas origens no termo latino “fasci”(feixe), e, na Roma Antiga representava um principio de autoridade. O feixe de varas paralelas, entrecortadas por um machado, era, assim, um símbolo da autoridade dos
magistrados romanos.

Em 23 de março de 1919, foi fundado o movimento fascista pelo Mussolini, na cidade de Milão. Entre os membros fundadores estavam os líderes revolucionários sindicalistas Agostino Lanzillo e Michele Bianchini. 
Os fascistas, em 1922, organizaram uma marcha sobre Roma, pois pretendiam

tomar o poder militarmente e ocupar prédios públicos e estações ferroviárias,
exigindo a formação de um novo gabinete. 
Os fascistas, em 1923, passaram a desenvolver um programa de separação da igreja do estado, um exército nacional, um imposto progressivo,

desenvolvimento de cooperativas e principalmente a república italiana.
O fascismo na Itália foi estabelecido uma década antes da chegada de Hitler (nazismo) ao poder, tendo em vista o contexto da Itália na Primeira Guerra e devido a um medo de que os esquerdistas tomassem o poder, Mussolini

conseguiu chegar ao poder na Itália, como primeiro ministro italiano.
O fascismo de certa forma era resultado de um sentimento geral de medo e ansiedade dentro da classe média do pós-guerra, devido convergências de pressões inter-relacionadas de ordem econômica, política e cultural.


O fascismo rejeita:

- A sociedade liberal do século XIX , organizada segundo as filosofias liberais do século XVIII (“filosofia das luzes”), apoiada no racionalismo , no individualismo e na idéia de progresso.

- A democracia , vista como incapaz de satisfazer os “reais” interesses da pátria , além de ser instrumento de pressão dos grupos economicamente hegemônicos.

- O parlamentarismo

- O pluralismo partidário , é considerado nocivo e inútil já que a opção livre do povo resulta na escolha de governantes  que não são os melhores , nem os mais aptos , nem os mais capazes.

 - O individualismo , pois o homem e seus interesses individuais devem se subordinar aos interesses maiores da nação.

- O liberalismo, visto como um principio que leva a degeneração, ao enfraquecimento do principio maior que é o grupo.

- O racionalismo, é visto como nocivo, desagregador pois asfixia o instinto, o impulso vital, a vontade primaria do homem.

- O marxismo, obviamente porque este é fundamentado na luta de classes, e, segundo a visão fascista, resulta no enfraquecimento e divisão da sociedade.

O fascismo acredita:

- O nacionalismo exagerado, uma vez que para os fascistas, a nação é o bem supremo, e em nome dela qualquer tipo de sacrifício deve ser exigido dos indivíduos.

- O racismo, uma vez que é preciso “purificar” o elemento nacional de qualquer tipo de “contaminação” do sangue.

- O expansionismo, visto como uma necessidade básica para os “povos vigorosos e dotados de vontade”. As fronteiras devem ser alargadas para se conquistar o “espaço vital”

- O militarismo, essencial à expansão e à afirmação do elemento nacional e racial.

- A submissão de todos ao estado, que deve ser forte e inquestionável, entendido pelos fascistas como catalisador da vontade nacional, instrumento da vontade coletiva.

- O unipartidarismo, considerando-se que para os fascistas o pluripartidarismo conduz a divisão.

- O culto ao chefe, entendido como o líder, o guia infalível aquele que encarna em si a vontade nacional (ex: Hitler, Mussolini)

- A hierarquização da sociedade, uma vez que uns (a elite do partido) mandam e os outros obedecem cegamente.

- A construção de um novo homem, moldado segundo a visão do partido, do estado, do líder. Este novo homem deve ser viril, insensível em relação aos fracos, porta voz da vontade nacional, etnicamente puro, intuitivo, capaz de executar sem discutir, hierarquizado e obediente.



Nenhum comentário:

Postar um comentário